Forex

Conheça alguns fatores para escolher o tipo de sofá mais adequado

Descubra as melhores opções e veja quais delas são ideias para cada tipo de ambiente.

Sofá

Escolher um sofá envolve muito mais que gostos e favoritas. Além do fator estético, é preciso levar em consideração a resistência e a durabilidade, se uma área interna ou externa, etc. Então, qual é a melhor escolha: um sofá com revestimento de couro ou tecido? Cor escura ou clara? Para te ajudar nessa questão, listamos algumas opções.

Em geral, o sofá costuma ser o protagonista do ambiente, seja em uma sala, um quarto ou um escritório. Além de acomodar as pessoas, o móvel tem importante participação na decoração do espaço. Para essa última função, podemos escolher por opções de tamanho, modelos, estilos e até propostas. Confira algumas dicas. 

Dimensões

Antes de atentar-se aos detalhes estéticos, você precisa definir quais serão os tamanhos das suas peças.

Para isso, você deve ter em mente qual é o espaço que receberá no sofá. As medidas a levar em consideração podem envolver a largura, a profundidade e até a altura.

Ambientes menores pedem peças com menos profundidade, para não atrapalharem a circulação das pessoas. Portanto, para este caso, evite os modelos retráteis.

Finalidade

Tão importante quanto determinar as dimensões do seu sofá é definir o uso dele. Móveis mais firmes são ideais para receber amigos e familiares para um bate-papo. Por outro lado, os retráteis e os reclináveis ​​costumam ser mais aconchegantes, por isso cabem melhor na proposta de assistir à TV, deitar e relaxar.

Uma terceira opção surge para aqueles que não querem um jogo com mais de uma peça ou têm espaço mais reduzido. Com alguma versatilidade, o modelo chaise, por exemplo, servirá tanto para uma área de TV, quanto para o propósito de reunião. Podendo ser fixo ou retrátil, ele oferece beleza e conforto.

Estilos

Com certeza, um dos principais traços do sofá é o estilo. Dentre os que mais têm feito sucesso no mercado, estão o moderno, o vintage e o retrô. Repleto de opções e variações, os sofás modernos costumam ser sofisticados e mais minimalistas.

Vindo numa ascensão nos últimos anos, o estilo vintage continua tendência de design. Comumente encontrado em revestimento de couro ou veludo, ele tem botões em uma superfície acolchoada e encosto de estilo capitonê.

Por sua vez, o retrô conta com linhas retas e pés de palito. O encosto também costuma ser menor, e vale a regra do tempo de permanência sobre ele. Uma característica importante, que vai incluir todas as possibilidades citadas, são os braços do sofá. 

Sofás sem braços têm mais espaço do que como versões com braços. Apesar de, geralmente, possuírem encostos menores, eles são excelentes para áreas sociais, como sala de estar ou de visitas. Contudo, atenção: por não terem uma grande área de encosto, eles podem ser inapropriados e desconfortáveis ​​para visitas de longo período.

Em L

Também conhecido como sofá de canto, o modelo em L pode ser encontrado em versões modulares, tornando-se bem versátil e personalizável. 

Assim como a chaise, ele pode vir com extensão para as pernas em uma das pontas, aumento o aconchego e o conforto da peça.

Portanto, este modelo se enquadra melhor em salas, especialmente, num canto do cômodo ou debaixo de uma janela.

Sofá cama

Por falar em versatilidade, como o próprio nome específico, o sofá-cama permite que o móvel tenha função de sofá e cama, sendo a opção ideal para quem não tem grandes espaços disponíveis. Modelos assim podem ser acomodados tanto em salas, quanto em quartos e escritórios.

Capitonê

O modelo capitonê ou chesterfield tem origem na era Vitoriana, portanto, possui características mais vintages. O estofamento é feito pela técnica botonê, identificada pelos pontos marcados por botões, que geram franzidos no tecido. Os braços podem ser largos e arredondados.

Tecidos

Sua jornada de decisão chega em estágio final com a escolha do tecido que revestirá a grande estrela do seu cômodo. Além da aparência, que será proporcionada por ele, os tecidos serão determinantes quanto à duração do seu móvel.

Apesar de parecer óbvio o motivo de alguém querer que o móvel dure muito tempo, a presença de crianças e animais de estimação pode ser fator fundamental para esta escolha.

Natural ou artificial

Resistente, elegante e sofisticado, o tecido feito a partir de fibra vegetal é uma opção interessante para quem busca durabilidade e beleza. Tecidos naturais podem ter a vantagem de ser antialérgicos, além de contar com a facilidade de limpeza.

A desvantagem dessa opção pode ser o preço, que costuma ser mais alto que as artificiais. O linho sintético é fabricado com poliéster, que aumenta a resistência do material, e algodão, responsável por manter a textura mais agradável. 

Couro

Uma das opções mais tradicionais para revestimento, o couro é elegante e possui alta durabilidade. Porém, a qualidade eleva os custos. Ele também pode ser natural ou artificial. Quando é de origem animal, qualidade e durabilidade são os grandes destaques para a escolha. 

Já quando em versão ecologicamente correta, o courino ou courvin cumprem bem o papel estético, mas têm que ser bem inferior. Essa opção possui a vantagem de ser impermeável e resistente, portanto, pode ser ideal para quem tem crianças e animais em casa. 

Camurça

Campeão de vendas devido ao custo-benefício, o tipo de revestimento artificial confere uma textura aveludada e bastante agradável, além de ter boa resistência e durabilidade. 

A grande desvantagem dessa opção é a capacidade de absorção, o que faz com que ele manche com facilidade. Então, se você pensa em figurar-lo em ambientes com crianças e animais de estimação, talvez valha a pena reconsiderar a escolha.

Deixe um comentário

O email foi ocultado.